Nossas roupas são feitas de sangue | The True Cost

08:11

Documentário The True Cost

 Esses dias eu assisti um documentário - disponível no Netflix - que me fez pensar, chorar, e mudar a minha percepção de algumas coisas. Quer dizer, eu nunca fui inocente sobre o assunto, eu sabia que muitas das lojas das quais eu compro tem trabalho escravo e que aqueles preços maravilhosos - quase impossíveis de serem reais - de lojas online da China não são apenas boa vontade do dono. Mas é tão fácil ignorar quando a gente não vê a escala inteira, não?

Sobre o filme

 The True Cost é um documentário dirigido por Andrew Morgan que aborda os impactos da atual demanda da indústria da moda. Ele traz ao longo do filme pontos de vista de produtores de algodão, economistas que são contra ou a favor do sistema, dos trabalhadores de Bangladesh e de ativistas que tentam melhorar a condição de vida da população afetada pela injustiça da indústria têxtil. 

 Eu confesso que dentre todas as cenas fortes que o filme têm e das quais não vou dar spoilers as que desencadearam toda a minha indignação e raiva foram cenas de pessoas aproveitando a Black Friday. É extremamente gritante a sensação de horror que você tem quando percebe que pessoas vivem em condições miseráveis, com 3 doláres por dia, e em seguida se depara com consumidores rastejando para entrar em lojas primeiro, saindo aos socos por um produto com 50% de desconto e se assemelhando tanto à animais selvagens.

Sobre a reflexão a partir dele


 Tudo isso porque hoje em dia vivemos a época da moda descartável. Uma das coisas que eu mais gosto é pegar roupas emprestadas da minha mãe, ela tem algumas de quando tinha a minha idade que são incríveis e em perfeitas condições. E isso é algo que nunca acontecerá com minhas filhas, por exemplo, porque minhas roupas duram três anos, no máximo. Os preços hoje em dia são tão baixos que as roupas são temporárias, não existe qualidade no que você compra;  isso já é feito pensado por alguém muito bom em marketing para que você tenha sempre que repor suas peças.

 É um ciclo infinito - ou seria finito? Já que o fim provavelmente está bem próximo - de nós comprando e estimulando essa demanda, trabalhadores continuando nessa situação deplorável e o planeta chegando ao seu limite. A indústria da moda é atualmente a segunda mais poluente no mundo, perdendo apenas para a petrolífera.


 Não consegui encontrar um trailer legendado com qualidade boa mas peço que mesmo quem não entenda inglês assista, no Netflix o filme está legendado e pelas imagens do trailer você pode ter uma ideia de como é feito o documentário.
 Eu espero que todo mundo assista, de todas as recomendações que dou aqui no blog de filmes, essa com certeza merece um destaque muito especial. Você já assistiu? Quer assistir? Deixa um comentário me contando o que acha do assunto, eu vou adorar :)

You Might Also Like

12 comentários

  1. Post mais do que maravilhoso <3
    Eu assisti esse documentário na faculdade, se não me engano, assim como tantos outros do gênero que os professores passam para nós, para que a gente saiba com que tipo de mercado estamos lidando no mundo da moda e que possamos fazer diferente. Tive a mesma reação que você ao assistir, dá vontade de chorar e o pior é que acho que ainda temos um longo caminho pela frente, porque esse materialismo não se restringe apenas à roupas, mas a praticamente tudo, desde eletrônicos, cosméticos, enfim qualquer coisa que se possa comprar. É como disseram no documentário do LOWSUMERISM (não sei se já assistiu, mas se não, deixo aqui como sugestão): "E algumas pessoas só querem comprar, comprar, comprar,...". Acredito que a mudança tenha que partir não apenas de quem é responsável pela produção e distribuição, mas dos consumidores. Porque se tem quem venda, é porque tem quem compre. Longe de culpar alguém, pelo contrário, eu mesmo não resisto a uma promoção quando tem alguma coisa lá que eu quero ou preciso. E cada um compra conforme a sua realidade. E a realidade é que nem todo mundo pode investir em uma peça de roupa cara, vegana, ecológica, etc, etc. Acho que o ponto seria se todas as pessoas comprassem não necessariamente menos, mas com mais consciência. E se perguntasse antes de comprar, se realmente precisa daquilo, se se identifica com aquilo, se vai usar mais de uma vez.

    Beijoos

    itskimby.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tinha ouvido sobre esse documentário mas já vou procurar, obrigada ;)
      Sim, acho importante as pessoas assistirem o documentário mas não quer dizer que necessariamente a partir de agora ninguém mais pode comprar nada. Eu assisti um doc sobre Minimalismo também e acho que está mais na questão de tu reduzir de acordo com a tua vida, não tentar se encaixar no padrão de 'Minimalista''mas ser um pouco mais minimalista do que tu era antes. Não sei se issofaz sentido, hahah Mas eu quero começar a ser mais consciente sobre isso mas não para agradar aos outros e sim ser sempre um pouco melhor do que eu era antes...
      Essa coisa de que isso acontece porque tem quem compra é muito real, a gente precisa diminuir um pouco a demanda para que a pressão em cima dos trabalhadores pare de ser enorme...
      Obrigada pelo lindo comentário Kimberly, beijo!

      Excluir
  2. Te amo por fazer esse post <3
    esse é meu documentário favorito. Eu já assisti umas quatro vezes e sempre choro. É totalmente diferente quando você simplesmente ouve falar de trabalho em condicoes ruins, porque aí é só uma realidade distante. Outra coisa é você ver essa realidade, é um baque.
    O mais triste é que nem todo mundo vai ter condicoes de comprar roupas de boas procedências. A pessoa que ganha um salário mínimo vai ter que comprar a roupa baratinha feita no Cambodia. Mas acho que quem tem condicoes financeiras de comprar melhor deve repensar seus hábitos. Porque mais vale comprar 10 pecas de boa procedência do que comprar 100 de empresas exploradoras. Na minha opiniao, todo mundo é responsável de uma forma ou de outra. Desde o dono da marca (sim, porque ele escolhe, ele nao é inocente, o pobre coitado forcado pelo mercado) até quem consome.
    Eu acho esse mundo tao cagado (desculpa a expressao), porque pra onde olho é impacto negativo que geramos sem querer. Outro dia eu estava assistindo um outro documentário sobre a exploracao de mao de obra escrava no Ivory Coast, pra fazer os chocalates que consumimos diariamente. Aquele chocolate da nestlé e de tantas marcas grandes, passa pela mao de obra infantil. :( triste demais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Te amo por comentar aqui <3
      Eu assistir esse documentário e foi desencadeando outros, agora estou assistindo muito conteúdo bacana e é realmente como você diz. Um mundo cagado. Eu descubro sobre o sofrimento da indústria têxtil e começo a comprar com mais consciência, mas aí vou comer meu chocolate que passou por mão de obra infantil, como você disse, e se descubro do chocolate vou lá usar feliz meu computador que também pode muito bem ter sido feito a partir de trabalho escravo. É um saco!
      Mas aos pouquinhos, mesmo que a diferença seja sutil, podemos tentar fazer nossa parte. Pelo menos nossa consciência fica limpa <3
      Beijo!

      Excluir
  3. Bem interessante a sua indicação de filme! No entanto, o mundo já era capitalista antes mesmo de documentarem. Grande parte dos problemas que temos hoje tem relação com o Capitalismo. Já que nosso planeta é totalmente globalizado, a ditadura da moda influência tudo e todos em torno de não só trazer o corpo perfeito, como também o estilo perfeito. As vestimentas elas seguem o mesmo padrão. Minha mãe mesmo sempre diz que a moda é igual maré, ela vem e vai. Estamos nessa época agora! Muitas peças que fizeram sucesso nos anos 90, 70, 60 e etc estão voltando as prateleiras. Isso tudo é um ciclo, e claro não temos só trabalhadores ganhando $3 por hora de trabalho em fábricas de mão de obra escrava para fornecer novas peças a mídia da moda. Temos muitas outras fábricas de refrigerante, fast food e por ai vai. As pessoas só não conhecem "seus segredos obscuros". O bom de documentários assim é que as pessoas abrem os olhos para situações que são acobertadas o tempo todo. Eu particularmente sou "nojenta" para roupas, até por conta do estilo alternativo, então gosto muito de garimpar brechós e tenho roupas que foram da minha mãe e hoje sou eu que uso.

    Até mais!
    Karolini Barbara
    womenrocker.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Quem dera se fosse $3 por hora, é por dia mesmo :(
    Sim, sim. Não é como se simplesmente o problema se tornasse real somente depois de ter um documentário, mas coisas como essas servem para abrir os olhos. É muito mais fácil tu se conscientizar para algo que tu enxerga do que algo que tu somente ouve.
    Comprar em brechós e usar roupas da mãe <3 <3
    Obrigada pelo comentário, beijo!

    ResponderExcluir
  5. Realmente o que você falou sobre o documentário retrada se tornou realidade ao passar com anos.Roupas antigas eram de melhores qualidades,já hoje tem que tomar cuidado pois ela se vai rápido.A verdadeira nessecidade do cara de marketing ter criado essa forma de ganhar mais é o consumismo,podemos ver que as pessoas estão cada vez mais consumistas não param para observar ao seu lado e nem quais são o lado negativo das indústrias.Se tornou nessecidade hoje como aborda o documentário ter que estar sempre consumindo comprando mesmo que as vezes não tem necessidades.Vou adorar ver esse documentario deixarei programado para assistir a idéia em que o autor e os personagens abordaram essa questão em que está trazendo coisas tão negariva em nossas vidas.
    Em casa temos costumes de comprar roupas em brecha,muitos até tem preconceito mas as roupas são de ótimas qualidades e o mais legal é que sempre doamos nossas roupa fora de utilidade.
    Beijos Parabéns pelo trabalho 😙

    ResponderExcluir
  6. Muito boa sua indicação e por mais posts assim que chamem as pessoas para a realidade e para pensar no próximo. A melhora da humanidade é como um trabalho de formiguinha, temos que mudar aos poucos e com muito trabalho. Ótima semana ;)

    ResponderExcluir
  7. eu preciso assistir isso imediatamente. Não é como se fossemos inocentes no fundo a maioria de nós sabemos que as nossas roupas baratas (nem sempre,lojas grandes estão ai) vem de uma mão de obra escrava.com esse "trailer" eu já sentir meu coração apertar muitas vezes nos somos tão consumistas,querendo tudo o que está na moda. Não sabemos o que as pessoas que fazem tudo isso passa. Eu quero me conscientizar e dizer não pra isso tudo. Ótimo post; Infelizmente as pessoas fecham os olhos para o que está na nossa frente

    ResponderExcluir
  8. Que INCRÍVEL! Não sabia da existência desse documentário e SEMPRE abordo isso no meu blog e no canal. AMEI saber e preciso urgente assistir. Obrigada por esse post! Mais influencers precisam se mobilizar para conscientizar as pessoas. Parabéns!
    Sucesso, beijos! Com carinho,
    Menina Borboleta.
    http://meniborboleta.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Preciso parar e assistir esse documentário de certeza. Acho que a pior parte de tudo isso é justamente esse desequilíbrio financeiro que afeta a população. Enquanto pessoas tem demais e usam isso como desculpa para sair correndo atrás de roupas e lojas e consumismo, outras estão por trás de tudo isso, rastejando por uma vida melhor, com condições mais humanas. Isso acaba me afetando até como consumidora, porque a gente tem essa mania chata de querer tudo que vemos, que sabemos que existe, mas não nos damos conta de tudo que há por trás, de todo balde de água fria. Enfim, adorei tua indicação e vou deixá-la guardadinha para um momento ♥

    ResponderExcluir
  10. Eu já parei pra pensar nisso mas acho que nunca o suficiente, vou assistir esse documentário. Tenho um professor que um dia na aula ele falou que não comprar em uma determinada loja porque a mão de obra é escrava e depois que parei pra pensar, eu entendi porque os preços comparados com outras lojas, são baixos.
    Agenda Aleatória

    ResponderExcluir